Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Passarelas montadas pelo Exército são levadas pela correnteza no RS

Passadeiras substituíam pontes levadas pela força da água nos rios Forqueta e Pardo


				
					Passarelas montadas pelo Exército são levadas pela correnteza no RS
O Rio Grande do Sul registra 163 mortes em razão dos temporais e cheias que atingem o estado desde 29 de abril.. Arquivo pessoal

Duas passadeiras, espécies de passarelas flutuantes montadas pelo Exército, foram levadas pela força da correnteza no interior do Rio Grande do Sul, nesta quinta-feira (23). Uma delas atravessava o Rio Forqueta, entre Arroio do Meio e Lajeado, no Vale do Taquari, enquanto a outra ficava no Rio Pardo, em Candelária, no Vale do Rio Pardo.

A Operação Taquari 2, iniciada pelo Exército para auxiliar nos resgates no estado, afirmou em nota que não houve feridos nos dois locais. A passadeira do Rio Forqueta já estava interditada em razão do aumento do volume e da correnteza.

Leia também

"O Comando Conjunto da Operação Taquari 2 já está providenciando outra passadeira para o local, a fim de atender a população. Ela será lançada assim que as condições de segurança do rio e climáticas permitirem", diz o comunicado.

Já a passadeira do Rio Pardo "se rompeu enquanto os militares realizavam a sua desmontagem". O local também estava interditado.

A passadeira do Rio Forqueta havia sido montada no dia 15 de maio, depois que a ponte da ERS-130 ficou destruída. Já a passadeira do Rio Pardo foi montada no dia 16, depois da queda da cabeceira da ponte da RSC-287.

Cheias no RS

O Rio Grande do Sul registra 163 mortes em razão dos temporais e cheias que atingem o estado desde 29 de abril. Em boletim divulgado às 9h desta quinta-feira (23), a Defesa Civil ainda informou que 72 pessoas estão desaparecidas.

Além disso, o estado registra 806 pessoas feridas e 647,4 mil pessoas fora de casa, somando quem está em abrigos e quem está desalojado, ou seja, está na casa de parentes ou amigos.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas