Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Pai denuncia professor por enviar vídeos se masturbando a aluno

Profissional chegou a convidar jovem para sair momentos antes de enviar as imagens


				
					Pai denuncia professor por enviar vídeos se masturbando a aluno
Caso aconteceu em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina. Reprodução/Arquivo Pessoal

O celular e o notebook do professor investigado por enviar a um aluno de 16 anos um vídeo em que se masturba foram apreendidos. O profissional, afastado da unidade de educação, foi alvo de um mandado de busca na segunda-feira (10), segundo a Polícia Civil.

O caso aconteceu em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina e é tratado como como importunação sexual, segundo a delegada Viviane Mattos.

Leia também

Os vídeos, em visualização única (onde é possível assistir uma vez), foram enviados na madrugada de domingo (9). O professor também teria mandado imagens em que aparece ejaculando, segundo o pai do adolescente, Rodrigo Ramos.

A conversa entre o profissional e o aluno foi divulgada pelo pai do garoto nas redes sociais. Ao g1, Ramos autorizou a divulgação das mensagens, onde também é possível ver que o educador convida o aluno para um encontro.

O professor atuava na Escola Estadual Nereu Ramos e caso é investigado como importunação sexual pela Polícia Civil. De acordo com o pai do garoto, o educado estava admitido em Caráter Temporário (ACT) e era responsável pelas disciplinas de Inglês e Português, embora não desse aula para a vítima.

"Meu filho só seguia o professor, como segue todos os professores [da escola], mas nunca teve nem contato com ele" explicou o pai.

Conforme Ramos, as primeira mensagens foram enviadas por volta da 00h40, quando o investigado perguntou o que o garoto fazia naquele momento.

"Ele [professor] manda foto sem camisa, pedindo para se encontrar e que não falaria para ninguém. Ele [ainda o professor] já manda os dois vídeos. E na hora que meu filho abre o conteúdo já começa a xingá-lo", disse o pai.

Segundo a delegada Viviane Mattos, da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami), o suspeito ainda não foi interrogado.

"O inquérito segue em andamento, para oitivas de eventuais testemunhas, interrogatório do suspeito e aguardaremos também o laudo", disse.

Escola e Secretaria de Educação se posicionam

Em nota publicada no domingo (9), a unidade de educação afirmou que o profissional está afastado da escola. Uma denúncia sobre o crime foi enviada para a 17º Coordenadoria Regional de Educação (CRE).

Procurada, a Secretaria Estadual de Educação (SED) disse que a Coordenadoria Regional de Educação (CRE) está "realizando o acompanhamento da situação e já tomou as medidas cabíveis" junto com a equipe multidisciplinar do Núcleo de Prevenção à Violência nas Escolas (NEPRE).

O que diz a lei

A legislação brasileira caracteriza como crime de importunação sexual a realização de ato libidinoso sem o consentimento da vítima. Toques inapropriados ou beijos "roubados", por exemplo, caracterizam o crime. Não há distinção se foi cometido presencialmente ou por meio virtual.

"Praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro", especifica a legislação, que imputa pena de 1 a 5 anos de reclusão.

Até 2018, o crime era considerado menor, uma contravenção penal. No entanto, com a criação de um delito específico, o no Código Penal foi alterado.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas