João de Deus é denunciado pela 13ª vez por crimes sexuais

Segundo órgão, há relatos de 18 vítimas no documento, mas 11 crimes prescreveram. Mulheres, que foram abusadas entre 1999 e 2018, são de Goiás, do DF

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) denunciou João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, por crimes sexuais contra sete mulheres - outros 11 depoimentos também constam no documento, mas os casos prescreveram. Segundo o órgão, o processo é a 13º denúncia contra o investigado, que cumpre prisão domiciliar em Anápolis, a 55 km de Goiânia, e já foi condenado a mais de 60 anos de prisão.
O advogado Anderson Van Gualberto, que representa o réu, informou, por meio de nota, que a defesa "sustenta a sua inocência e no curso do processo a comprovará" (leia a íntegra ao fim da reportagem).
A denúncia foi feita na terça-feira (15), dois anos após a prisão de João de Deus, que tem atualmente 79 anos. Segundo o MP, o réu foi denunciado pela prática de estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude. O documento traz relatos, testemunhos, documentos e fotografias relativos a crimes que ocorreram entre 1999 e 2018.
Ainda de acordo com o MP, as 18 vítimas que relatam abusos nesta denúncia são dos estados de Goiás, Santa Catarina, Pará, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Bahia.
Prisão
Condenado por abusar sexualmente de mulheres durante atendimentos espirituais, João de Deus ficou preso entre dezembro de 2018 e março de 2020 no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Porém, deixou o presídio em março deste ano para cumprir a pena em regime domiciliar pelo alto risco de contágio da Covid-19 no presídio.
No último dia 23 de outubro, João de Deus precisou ser internado em um hospital de Anápolis por causa de problemas cardíacos. No mesmo dia, ele foi transferido ao Hospital Sírio Libanês em Brasília. Ele chegou a passar por uma cirurgia no último dia 4 de novembro, mas já recebeu alta médica e vem fazendo acompanhamento na unidade quinzenalmente.
Sentenças
João de Deus já foi condenado a mais de 60 anos de prisão por posse ilegal de arma de fogo e crimes sexuais cometidos contra mulheres, enquanto fazia atendimentos na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia.
De acordo com o MP, foram três condenações por crimes sexuais cometidos contra nove mulheres:
1ª - por posse ilegal de arma de fogo, pena de 4 anos em regime semiaberto, novembro de 2019;
2ª - por crimes sexuais cometidos contra quatro mulheres, condenado a 19 anos em regime fechado, em dezembro de 2019;
3ª - por crimes sexuais cometidos contra cinco mulheres, sentenciado a 40 anos em regime fechado, janeiro de 2020.
Nota da defesa de João de Deus
Acerca da nova denúncia apresentada na data de ontem, 15/12/2020, contra João Teixeira de Faria, na verdade trata-se de mais um pernicioso capítulo da estratégia do Ministério Público do Estado de Goiás que vem fazendo do processo judicial um verdadeiro espetáculo público, e estrategicamente, apresenta nova denúncia exatamente na data em que completou dois anos da prisão do médium e se utiliza deste expediente para reacender e inflacionar o sentimento de ódio contra João de Deus. O médium sustenta a sua inocência e no curso do processo a comprovará. Atualmente, às vésperas de completar 80 anos (faltam 6 meses), está sob as condições da prisão domiciliar e vem se recuperando de cirurgia cardíaca realizada em 04/11/2020 no Hospital Sírio Libanês em Brasília, onde permanece com o tratamento.