China se irrita com discurso dos EUA sobre "vírus chinês": "Já chega"

Embaixador chinês na ONU rebateu as acusações de Trump e da representante dos Estados Unidos responsabilizando o país asiático pela pandemia

O embaixador chinês na Organização das Nações Unidas (ONU), Zhang Jun, se indignou nesta quinta-feira (24/9) durante a 75ª Assembleia Geral com o discurso norte-americano de que os chineses foram os responsáveis pela disseminação do coronavírus no mundo. "Já chega! Já criaram problemas suficientes no mundo!", disse o representante asiático à embaixadora norte-americana, Kelly Craft.
A reclamação ocorreu em uma reunião por videoconferência do Conselho de Segurança sobre o futuro da governança global, da qual participava o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.
"Antes de apontar o dedo aos outros, qual é a causa dos 7 milhões de casos de infecção e mais de 200 mil mortes nos Estados Unidos?", devolveu o embaixador chinês, acusando Washington de espalhar "o vírus da desinformação", "mentir" e "enganar".
O chinês ainda argumentou que os Estados Unidos, agindo dessa forma, "não resolverão nenhum problema". "Parem de politizar o vírus", disse. "Uma grande potência deve se comportar como uma grande potência."
Após o encontro, o embaixador postou em suas redes sociais vídeos de sua participação na reunião virtual. "
"Os EUA estão contra a comunidade internacional e completamente isolados. É hora de acordar. "O que os EUA precisam fazer é parar a manipulação política, parar de rotular ou politizar o vírus, focar no combate ao vírus em casa e apoiar a ONU e a OMS (Organização Mundial de Saúde)", disse.
"A China, como muitos outros países, dá as boas-vindas aos esforços dos EUA em contribuir para a paz mundial e o progresso da humanidade. Uma grande potência deve se comportar como uma grande potência", destacou.
Ele ainda aconselhou que, para ser "um bom líder", é preciso que se "lidere pelo exemplo", promova a "cooperação internacional" e "dê uma contribuição real para a humanidade"
O chinês recebeu o apoio do russo Vasily Nebenzia.
No início da reunião, a embaixadora Kelly Craft reiterou as acusações feitas pelo presidente Donald Trump na terça-feira (22/9), ao discursar na abertura da reunião.
"A decisão do Partido Comunista Chinês de ocultar a origem deste vírus, de minimizar seu perigo e de suprimir a cooperação científica transformou uma epidemia local em uma pandemia global", provocou. "Mais importante ainda, essas decisões já custaram centenas de milhares de vidas em todo o mundo."
"Deveria ter vergonha! Estou chocada e indignada com o conteúdo da discussão de hoje", disse Craft no início de seu discurso.