Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Assédio: herdeiro de engarrafadora da Coca-Cola é condenado em R$ 5 bi

Alki David é acusado por cometer assédio e agressão sexual.


				
					Assédio: herdeiro de engarrafadora da Coca-Cola é condenado em R$ 5 bi
De acordo com as investigações, ele é acusado de cometer assédio e estupro contra a ex-modelo, que não foi identificada, entre 2016 a 2019. Reprodução/ Redes Sociais


A Justiça de Los Angeles, nos Estados Unidos, determinou que o empresário Alki David pague US$ 900 milhões (aproximadamente R$ 4,9 bilhões) a uma ex-funcionária por agressão sexual. De acordo com as investigações, ele é acusado de cometer assédio e estupro contra a ex-modelo, que não foi identificada, entre 2016 a 2019.

Alki é um empresário e herdeiro de fábricas responsáveis por engarrafar bebidas da marca Coca-Cola em 28 países.

Leia também

O tribunal foi informado de que o homem, de 56 anos, tinha a porta do departamento de recursos humanos da empresa estampada com uma imagem pornográfica escrito “HER-ASS” (bunda dela, traduzido para o português, e que, em inglês, tem o som de harass – assediar).

Os funcionários do escritório na Califórnia tinham como referência do local como “sala de violação”. As informações são do jornal americano Daily Mail.

A vítima é ex-modelo que teria ido trabalhar para Alki na firma Hologram USA após conhecê-lo como um “magnata da mídia”.

De acordo com relato da vítima, o empresário tentou beijá-la durante uma viagem de trabalho com destino a uma ilha privada, na Grécia, mas a mulher rejeitou e recebeu um pedido de desculpas feito por Alki. No mesmo ano, ela foi demitida.

Mais casos de assédio do herdeiro

Em 2018, a mulher recebeu um convite de trabalho para ser embaixadora da marca dele de fabricação de cannabis, a Swiss-x. O processo informa que, após aceitar, Alki a levou para um quarto de hotel, onde convenceu de provar o produto antes de forçá-la a tocar no órgão genital.

Um ano depois, em 2019, o homem foi condenado a pagar uma indenização de US$ 8 milhões a uma mulher que alegou ter sido demitida pós se recusar a praticar sexo com ele.

De acordo com o Daily Mail, Alki negou todas as acusações durante um julgamento em 2019 no Tribunal Superior do Condado de Los Angeles. “Nunca toquei em nenhuma dessas mulheres”, aponta.

Veja a matéria completa em: Metrópoles

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X