Artigo | Jarina Garcias

DIFICULDADES DE COMUNICAÇÃO NO AUTISMO E A UTILIZAÇÃO DO PECS (SISTEMA DE COMUNICAÇÃO POR TROCA DE FIGURAS)

PECS é um excelente sistema de comunicação alternativa e para ter a melhor eficácia possível é necessário a generalização do seu uso

Jarina Garcias

Mãe de um filho com TEA – Transtorno do Espectro Autista, Neuropsicopedagoga, Psicopedagoga e Analista do Comportamento Especialista ABA – Análise Aplicada do Comportamento

O prejuízo persistente na comunicação social e na interação é um dos critérios fundamentais para o diagnóstico do autismo, e sem dúvidas esses prejuízos na área da comunicação são umas das maiores preocupações das famílias de crianças com autismo, pois de forma direta podem afetar a compreensão, a expressão, o gestual e a fala, deixando a criança praticamente sem formas de se comunicar, trazendo um prejuízo muito grande para o convívio tanto em família, quanto na escola.

Dentro do espectro do autismo existem níveis, e da mesma forma existem graus de dificuldades na comunicação, essa análise é fundamental na hora de definir se será necessário a introdução de algum tipo de comunicação alternativa e principalmente que tipo de sistema de comunicação alternativa será utilizado, seja ele analógico ou tecnológico (normalmente sistemas eletrônicos geradores de fala).

O critério principal para essa definição passa por conhecer o nível de funcionamento cognitivo dessa criança com autismo, entendendo que para cada criança haverá um sistema de comunicação alternativa que será mais eficaz. Nesse sentido, um dos sistemas de comunicação alternativa não tecnológicos que tem mais pesquisas e mais evidências científicas de eficácia é o PECS – Picture Exchange Communication System (Sistema de Comunicação por Troca de Figura).

O PECS foi desenvolvido em 1985 por Andy Bondy, Ph. D. e Lord Frost, M.S. para uso com crianças em idade pré-escolar com Transtornos do Espectro do Autismo e outros transtornos em comunicação social que não apresentam fala funcional ou socialmente aceitável.

No meu entendimento o PECS é um sistema muito bem elaborado, com uma estrutura muito bem delineada de comunicação. Com a utilização do PECS a criança aprende primeiro a abordar um parceiro de comunicação e a dar uma imagem de um item desejado em troca desse item. A partir do momento que a criança faz isso, ela inicia um processo comunicativo para um resultado concreto dentro de um contexto social de forma a aprender a fazer pedidos e a até mesmo descrever uma situação.

O protocolo de treinamento PECS baseia-se na investigação e na prática dos princípios da ABA - Análise Comportamental Aplicada, utilizando assim estratégias de reforço, estratégias de correção de erros e estratégias de generalização.

Normalmente as crianças que utilizam o PECS como forma de comunicação alternativa aprendem a se comunicar primeiro com figuras isoladas, evoluindo até aprender a combinar imagens para assimilar diversas estruturas gramaticais, relações semânticas e outras funções comunicativas.

O PECS é um excelente sistema de comunicação alternativa e para ter a melhor eficácia possível é necessário a generalização do seu uso, ou seja, utilização em casa, na escola e nas terapias, pois assim a criança se sentirá mais segura, usará com maior desenvoltura e será mais independente no seu dia a dia.