Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > ARAPIRACA E REGIÃO

Força-tarefa busca focos da doença Sigatoka Negra em Alagoas

Focos foram detectados nos municípios de Porto de Pedras e Porto Calvo


				
					Força-tarefa busca focos da doença Sigatoka Negra em Alagoas
Trabalho de campo, que teve início na segunda-feira, 10, segue até o próximo dia 17. Foto: Ascom Adeal

Com dois focos detectados da Sigatoka Negra nos municípios de Porto de Pedras e Porto Calvo, ambos localizados no Litoral Norte de Alagoas, técnicos da Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagas (Adeal), em parceria com Secretarias Municipais de Agricultura, realizam uma força-tarefa em cinco municípios do Litoral Norte e Zona da Mata do Estado em busca de possíveis novos focos da praga.

O trabalho de campo, que teve início na segunda-feira (10), segue até o próximo dia 17. “Os fiscais estarão percorrendo propriedades produtoras de banana dos municípios de Porto de Pedras, Porto Calvo, Maragogi, Jacuípe e Colônia de Leopoldina, inspecionando as áreas e verificando se há ou não a ocorrência da doença.

Leia também

Na oportunidade, os produtores serão orientados sobre as medidas imediatas a serem adotadas. "É importante contar com a parceria do produtor para que ele também atue como multiplicador no combate à praga”, afirmou a chefe do Núcleo de Defesa Vegetal da Adeal, Maria José Rufino.

Há cerca de dois anos, o primeiro foco da doença foi detectado em Alagoas e mantido sobre controle, após trabalho de campo realizado pela equipe técnica da Adeal, no município de Igreja Nova.

Doença

A praga é considerada quarentenária, por causar prejuízos econômicos, sendo altamente agressiva e afeta a qualidade dos frutos e o rendimento da cultura, caso não sejam realizados procedimentos técnicos.

A Sigatoka foi constatada pela primeira vez no Brasil, em fevereiro de 1998, e já está presente em vários Estados. O fungo causador da Sigatoka é a Mycosphaerella fijiensis Morelet, disseminado por fatores ambientais como umidade, temperatura e vento, além de folhas doentes utilizadas em barcos e/ou caminhões bananeiros, para proteção dos frutos durante o transporte.

*Com assessoria

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas