Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > ARAPIRACA E REGIÃO

Empresário de Arapiraca teria recebido R$ 700 mil de PMs investigados

Eraldo Luiz Rodrigues, proprietário da loja de armas Comercial Taurus, foi preso nesta terça-feira (21)


				
					Empresário de Arapiraca teria recebido R$ 700 mil de PMs investigados
Operação foi denominada Fogo Amigo. : Divulgação

Preso nesta terça-feira (21), em Arapiraca, o empresário Eraldo Luiz Rodrigues, proprietário da loja de armas Comercial Taurus, teria recebido, segundo apuração do G1 Bahia junto à Polícia Federal, cerca de R$ 700 mil em um ano. Ele teria recebido o valor de um dos investigados na Operação Fogo Amigo, que prendeu policiais militares da Bahia acusados de vender armas para facções criminosas.

Segundo a investigação, a compra de munição ilegal do empresário ocorre há, pelo menos, três anos. Em Arapiraca, também foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão. A loja Comercial Taurus fica na Rua Quinze de Novembro, no Centro de Arapiraca e teve as atividades suspensas.

Leia também

A Operação Fogo Amigo foi deflagrada nesta terça-feira (21) pela Polícia Federal com o objetivo de desarticular organização criminosa, formada por diversos policiais militares dos estados da Bahia e Pernambuco, por CACs e por lojistas. O grupo era especializado em vender armas e munições ilegais para facções criminosas nos estados da BA, PE e AL.

Cumprimento de buscas e prisões

Cerca de 320 Policiais Federais, grupos táticos da PM/BA, PM/PE, PC/BA GAECO/BA, GAECO/PE e Exército cumpriram, nesta terça-feira (21), 20 mandados de prisão preventiva e 33 mandados de busca e apreensão nos estados da Bahia, Pernambuco e Alagoas em desfavor de agentes de segurança pública, CACs, empresários e lojas de comercialização de armas de fogo, munições e acessórios.

Foi determinado, ainda, o sequestro de bens e bloqueio de valores de até R$ 10 milhões dos investigados, além da suspensão da atividade econômica de três lojas que comercializavam material bélico de forma irregular.

Durante a deflagração da operação, o Exército Brasileiro realizou fiscalização em outras lojas que comercializam armas, munições e acessórios controlados nos municípios de Juazeiro/BA e Petrolina/PE.

Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, comercialização ilegal de armas e munições, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, cujas as penas somadas podem chegar a 35 anos de reclusão.

A Polícia Federal continuará a apuração, na tentativa de elucidar a real amplitude da suposta organização criminosa, bem como identificar outros integrantes.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas