Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Summit Mobilidade debate sobre necessidade de investir em equipamentos públicos

Na prática, ter acesso a unidades de saúde e escolas de qualidade na cidade em que se vive, evita deslocamento


				
					Summit Mobilidade debate sobre necessidade de investir em equipamentos públicos
Momento foi iniciado com a apresentação da professora da Ufal, Jéssica Lima. Foto: Felipe Sóstenes

O primeiro painel do Gazeta Summit Mobilidade, realizado na manhã desta segunda-feira (17), no Ritz Lagoa da Anta, teve como tema “PDUI - como as políticas públicas impactam em nossas vidas”. Mediado pelo presidente do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (Sindjornal), Alexandre Lino, o momento trouxe uma importante discussão sobre a importância de se investir nos mais diversos equipamentos - nas áreas de saúde, educação, habitação e segurança - para, dessa forma, também contribuir para uma melhoria da mobilidade urbana.

O momento foi iniciado com a apresentação da professora da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e influenciadora, Jéssica Lima, que apresentou alguns dados que constam no diagnóstico do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI), entre eles, a grande concentração de atividades e serviços em Maceió, que acaba atraindo, todos os dias, inúmeras pessoas que precisam se deslocar de outras cidades, situadas na Região Metropolitana, para ter acesso a eles. Dessa forma, contribuindo para sobrecarregar ainda mais o trânsito na capital alagoana.

Leia também

“A primeira coisa que eu queria dizer é que Maceió não é uma ilha e está inserida em um contexto metropolitano. Por isso, precisamos trabalhar como um todo. Temos uma concentração muito grande de atividades na capital e o transporte tem demanda derivada. É preciso trabalhar em conjunto, pois o transporte tem um fim, que é fazer as pessoas chegarem às atividades. Então, não adianta ter uma educação que funciona, uma saúde, espaços de lazer eficientes, se não tem um transporte eficiente”, destacou a professora.

De acordo com os dados apresentados, Rio Largo é o município que mais faz viagens para Maceió, e Maceió é o município que mais atrai pessoas de outras cidades da Região Metropolitana, como Rio Largo, Satuba e Paripueira. Tendo isso em vista, o deputado estadual Alexandre Ayres afirmou que, enquanto secretário de Saúde, fez questão de investir em outros equipamentos de saúde - como as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), para facilitar o atendimento próximo aos locais de moradia da população, tornando desnecessário um longo deslocamento para ter acesso a esse tipo de atendimento.

“A sociedade, de uma maneira geral, precisa entender que mobilidade urbana não quer dizer só transporte, por isso trabalhamos pela descentralização dos serviços de saúde”, pontuou o parlamentar.

Ele também trouxe dados referentes ao quantitativo de pessoas com carteira assinada que trabalham no comércio da capital alagoana. Seriam 10 mil pessoas, das quais, cerca de 8 mil, moram na parte alta de Maceió. “E mesmo diante disso, não vemos nenhum tipo de discussão sobre um programa habitacional que traga essas pessoas para mais perto do local de trabalho”, completou.

O secretário de Transporte e Desenvolvimento Urbano, Mosart Amaral, falou, entre outras coisas, sobre os Programa Vida Nova nas Grotas, que tem levado não só mais mobilidade - com a construção de escadarias -, mas também de urbanização e área de convivência entre os moradores. “É um programa que traz muito orgulho para todos nós, pois traz inclusão social”, falou.

CONFIRA AS FOTOS DO GAZETA SUMMIT

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X